Pulseirismo Masculino!

Pulseirismo Masculino

Oii gente tudo bem? Espero que sim. Hoje vamos falar sobre pulseirismo masculino, moda que está super em alta no Brasil e no mundo. Além de permitir montar looks mais bonitos e modernos, essa onda tem uma pegada viril e charmosa, que pode fazer toda diferença no visual de um cara mais antenado.

Mas, para criar esse efeito, é necessário saber como compor as produções com pulseiras e braceletes. Do contrário você corre o risco de ficar com um look over ou muito sem graça.

Você deve pegar leve no início, usando pulseiras mais simples, sem detalhes muito chamativos, mas que vão compor bem com seu look.


Lembre-se sempre de combinar a pulseira sempre com a roupa. Se o visual da noite estiver mais rockeiro, pulseiras com caveiras e spikes caem muito bem. Se o visual fizer a linha mais hipster, as cordas e contas são bem-vindas. Já os mais clássicos podem recorrer às peças de ouro, prata ou couro, como essa abaixo:


O pulseirismo ainda é visto por muitos como acessório feminino, e muitos homens não aderem a essa moda por acharem isso. O blog conversou com Breno Gallan e Vitor Hugo Alves, da loja Royal Kings ,que aparecem no mercado do pulseirismo com opções diversas e sofisticadas de pulseiras. Ao perguntarmos sobre o que achavam desse preconceito, a Royal respondeu:


Vitor: Nossa principal ideia é mostrar o oposto dessa situação. É a velha

história de que todo homem deve confiar em sua personalidade e caráter. Volto a dizer

que a famosa “primeira impressão” que se tem é superficial e a aparência é de extrema

importância nesses casos. Não só as mulheres, mas até as situações profissionais se

tornaram mais exigentes em relação a nossa aparência física e visual. É tendencioso que o

homem se valorize mais, pois se pensarmos claramente sobre o assunto, é assim que as

mulheres ganham os olhares masculinos.


Breno: Se pudéssemos alcançar um grande número de ouvidos e olhares

masculinos neste momento, diríamos apenas que valorizem sua personalidade, caráter e

aparência. Você ganha pelo que tem de diferente, e nossa principal ideia é mostrar que os

mínimos detalhes fazem toda a diferença.


Vitor: Foi incrível o feedback que tivemos já nas primeiras três semanas de

vendas, onde 70% de nosso estoque se esgotou. Isso mostra que os homens já estão

deixando de lado a personalidade bruta, rústica e sistemática (risos). Nossos clientes são

principalmente jovens universitários, executivos, empresários e profissionais de sucesso.

Isso faz uma diferença drástica? Não! Mas mostra claramente que tipos diferentes de

pessoas tem uma coisa em comum... O fato de começarem as mudanças por eles mesmos.


                                      Vitor Hugo Alves                                Breno Gallan



Os clientes podem encontrar na Royal Kings, materiais como couro, couro sintético e pedras naturais. Nas pulseiras de couro e couro sintético, a Royal usa metais em diferentes formas e símbolos. As pedras naturais utilizadas, são de alta qualidade, e todas tem origens e significados diferentes, dando valor aos significados astrais e culturais de cada pedra.Ah! E não vamos encontrar aqueles fechos que machucam e dificultam a colocação e retirada. A Royal trabalha com fechos com imãs nas pulseiras de couro. Facilita muito né galera?

Confiram abaixo a entrevista completa, antecedida de uma apresentação da Royal Kings:




Pulseirismo. O termo tem sido utilizado com muita frequência por artistas, atrizes, 

cantores e simpatizantes da moda. O “Pulseirimo Masculino” tem sido considerado 

tendência pelo mercado da moda, e se fortalece principalmente no exterior, sendo 

frequentemente comentado por grandes estrelas de Hollywood, como Johnny Depp, 

Orlando Bloom, Silentó, Kit Harington e muitos outros.

No Brasil o #pulseirimo tem sido febre entre artistas nacional e mundialmente conhecidos. 

Exemplos como Luan Santana, Gusttavo Lima, Marcos Mion, Lucas Lucco e Caio Castro tem 

tornado o ato de usar uma combinação de pulseiras e colares em couro ou pedras 

naturais, mais comum do que vestir meias.

Além de agregar personalidade e estilo ao homem, os acessórios chamam atenção pelo 

design e aderência a qualquer estilo empregado.

Foi nesse sentido que os empreendedores Vitor Hugo Alves e Breno Gallan, de Ribeirão 

Preto, resolveram agir. Amigos há 15 anos, criaram e administram a marca Royal Kings, 

que é voltada a venda de acessórios masculinos.

Abaixo, segue um bato-papo feito com os sócios, que ainda prometem muitas novidades 

para o ano de 2016. 



Alec Thorne – Primeiramente como surgiu a ideia do nome da marca?


Vitor Hugo Alves – O nome de uma marca é parte do que ela transmite e se torna no 

mercado. Além do logotipo, slogan, público-alvo e nicho de atuação, é uma das escolhas 

que exige mais responsabilidade. Durante o processo de planejamento fizemos várias 

vezes uma espécie de “Brainstorming” deixando que ideias relacionadas ao que 

buscávamos aparecessem.


Breno Gallan – Nós cogitamos que a ideia de realeza e nobreza estivesse envolvida com o 

nome da marca, sem deixar que nossas raízes culturais desaparecessem, o que explica 

claramente o logotipo da marca. O mais importante foi transmitir a importância de aderir 

ao gosto pelos pequenos detalhes, que é como são considerados os acessórios dentro de 

um look.


Vitor Hugo Alves – Depois de muitos “Royal” e de muitos “Kings”, foi definido que a união 

de ambos seria a ideal. Foi importante o trabalho em conjunto para que chegássemos a 

um consenso. 



Alec Thorne – Porque trabalhar com o mercado de acessórios masculinos, em especial o 

pulseirismo?


Vitor Hugo Alves – É evidente a mudança de opinião dos homens em relação ao mercado 

da moda. Atualmente eles se tornaram mais vaidosos, sem receio em relação a opiniões 

alheias. Tudo isso porque as mulheres se tornaram mais exigentes, com olhares mais 

críticos ao superficial, que tecnicamente é a “primeira impressão” que se tem antes do 

diálogo. Minha namorada, Camille Perrotta, fez parte do meu primeiro contato com o 

chamado Pulseirismo, que nada mais é do que o ato de se usar e combinar acessórios.


Breno Gallan – O Vitor conheceu os acessórios através de uma loja de roupas importadas 

em nossa cidade. Depois de adquirir alguns itens de quem hoje é nosso principal 

fornecedor, ele me apresentou os produtos. Quando comentou sobre a possibilidade de 

entrarmos no mercado achei uma ótima ideia, porém ele sempre foi muito receoso, ao 

contrário de mim, que não tenho medo de boas oportunidades. Enxerguei além de nossas 

expectativas, e estudamos juntos um planejamento composto de informações e 

estratégias administrativas e financeiras.


Vitor Hugo Alves – O mais interessante foi que tínhamos qualidades complementares. Nos 

conhecemos há aproximadamente 15 anos, e nunca nos imaginamos sendo sócios. Mesmo 

contrariando a ideia que muitas pessoas têm sobre sociedade, conseguimos trabalhar 

juntos com o que cada um tem de melhor. Eu, particularmente, sempre cedi o melhor dos 

meus esforços na área de estratégia administrativa, métodos de venda, aumento do raio 

de alcance de atuação e possíveis oportunidades. Já o Breno tem um ótimo controle 

voltado a área financeira, envolvendo desde custos e pagamentos à fluxo de caixa e 

tabelamento de preços, além de me apoiar grosseiramente na área de vendas.








Alec Thorne – Os homens estão cada vez mais vaidosos, e nós sabemos que não há mal 

nenhum nisso. Qual o recado da Royal Kings para os homens que acham que ser vaidoso 

afeta a masculinidade?


Vitor Hugo Alves – Nossa principal ideia é mostrar o oposto dessa situação. É a velha 

história de que todo homem deve confiar em sua personalidade e caráter. Volto a dizer 

que a famosa “primeira impressão” que se tem é superficial e a aparência é de extrema 

importância nesses casos. Não só as mulheres, mas até as situações profissionais se 

tornaram mais exigentes em relação a nossa aparência física e visual. É tendencioso que o 

homem se valorize mais, pois se pensarmos claramente sobre o assunto, é assim que as 

mulheres ganham os olhares masculinos.


Breno Gallan – Se pudéssemos alcançar um grande número de ouvidos e olhares 

masculinos neste momento, diríamos apenas que valorizem sua personalidade, caráter e 

aparência. Você ganha pelo que tem de diferente, e nossa principal ideia é mostrar que os 

mínimos detalhes fazem toda a diferença.


Vitor Hugo Alves – Foi incrível o feedback que tivemos já nas primeiras três semanas de 

vendas, onde 70% de nosso estoque se esgotou. Isso mostra que os homens já estão 

deixando de lado a personalidade bruta, rústica e sistemática (risos). Nossos clientes são 

principalmente jovens universitários, executivos, empresários e profissionais de sucesso. 

Isso faz uma diferença drástica? Não! Mas mostra claramente que tipos diferentes de 

pessoas tem uma coisa em comum... O fato de começarem as mudanças por eles mesmos.



Alec Thorne – Com que tipo de material são confeccionadas as pulseiras?


Vitor Hugo Alves – Nós temos três matérias-primas principais: Couro, Couro Sintético e 

Pedras Naturais. Trabalhamos com pulseiras em couro e couro sintético com detalhes em 

metais de design autêntico e diferenciado. Os metais utilizados geralmente são chamados 

de adornos, pois tem formas, gravuras e símbolos. Nossas pulseiras de pedras, mais 

conhecidas como “Beads” são feitas com pedras e minérios importados de alta qualidade. 

Todas as pedras utilizadas têm origens e significados diferentes. Buscamos sempre 

ressaltar os significados astrais e culturais de cada pedra, isso fortalece muito a valorização 

do produto.


Breno Gallan – Muitas marcas e fornecedores trabalham com pulseiras “Beads” feitas de 

material PVC ou plástico. Acreditamos que isso é desvalorizar o produto, o 

consequentemente, o cliente que o adquiri. Zelar pela estética e qualidade do produto é 

de extrema importância, agrega valor não só ao que se vende, mas também a quem 

compra. Todas as nossas pulseiras feitas em couro têm fechos com imã, o que facilita 

muito tanto quando se coloca, quanto quando se tira a pulseira. Todos esses detalhes 

fizeram a diferença no olhar crítico de nosso público-alvo.


Alec Thorne – Quais os planos de crescimento para a marca? Pretendem trabalhar com 

outros produtos?


Vitor Hugo Alves – Atualmente temos trabalhado com as políticas “um passo de cada vez” 

e “manter os pés no chão”. Apesar de reconhecer o momento financeiro delicado que 

temos passado, não temos economizado esforços para enfrentar tais obstáculos. O 

feedback que temos em relação a nossa dedicação e trabalho tem sido extremamente 

positivo, tanto administrativamente falando, quanto financeiramente. No momento 

estamos focando em expandir nossa área de atuação, formando parcerias com lojas que 

se voltam ao nicho da moda, principalmente masculina.


Breno Gallan – Em apenas 2 meses no mercado vendemos mais de 150 produtos 

exclusivos da marca, sendo 60 nas três primeiras semanas, o que deve ser levado em 

consideração baseado no preço a que são vendidos e no momento político-financeiro, 

apelidado de crise, que temos passado. Tecnicamente vencemos um momento em que os 

acessórios de moda deveriam ser considerados bens de consumo ou produtos de baixa 

prioridade no bolso do brasileiro. A isso agradecemos a Deus, em primeiro lugar, e aos 

nossos clientes que tem fortalecido nossa caminhada.


Vitor Hugo Alves – A Royal Kings tem contado com o apoio de lojas e parceiros dentro e 

fora de Ribeirão Preto. Em nosso primeiro mês de atuação fomos contatados por um de 

nossos atuais parceiros, a Aero Showroom, loja de roupas nacionais e importadas 

localizada em nossa cidade. Atualmente temos alguns produtos sendo vendidos lá, e 

obtivemos um feedback espetacular do dono da loja. É nesse sentido que planejamos 

trabalhar. Temos como principal objetivo colocar “displays” (mostruários) de nossa marca 

com produtos exclusivos pelas lojas de roupas e acessórios em Ribeirão Preto e região. 

Queremos atingir o público com contato direto. Acreditamos muito no poder e ajuda que 

as mídias sociais têm exercido em nosso trabalho, mas confiamos principalmente no “téti-

à-téti”.


Breno Gallan – No momento estamos em negociação com um provável parceiro em Minas 

Gerais. Há algum tempo temos mantido contato, e o mesmo tem mostrado real interesse. 

É uma loja de roupas nacionais e importadas muito conhecida por lá, pois o dono da 

mesma também é produtor de eventos, e atua no ramo universitário, que é 

extremamente forte pelo número de faculdades públicas e particulares existentes no 

estado, além das famosas festas de Natal, Ano Novo e “Weekends”. Nossa pretensão é 

aumentar a linha de produtos, tendo não só pulseiras, mas também colares, bonés, 

carteiras, “nécessaires” e quaisquer tipos de acessórios e utilitários voltados ao público 

masculino, compondo nosso mostruário.


Massa né pessoal!? Conheçam a Royal Kings no Instagram e no Facebook! Lá vocês vão encontrar todos os produtos deles e poder cair nessa moda sensacional!

https://www.instagram.com/rkings_/

https://www.facebook.com/royal1kings

Um comentário:

  1. Adorei as pulseiras, uma mais linda que a outra ! E uma boa opção de presente para os namorados e amigos !
    Venha conferir meu blog , sua opinião é muito importante para mim - https://maiteaissa.wordpress.com/
    Beijos Maitê

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário e siga o blog para acompanhar as novidades ! Volte Sempre !